CARONA DE CANDIDATO


Leia na íntegra esse divertido, mas muito realista, repente de Zé Laurentino da Paraíba. Não esqueça de embutir na leitura um gostoso sotaque nordestino!

Meu compadre Severino me apresentou certo dia ao doutor Zeferino
E este, muito grã-fino, tratou-me dentro das normas
Apertou a minha mão e disse "Satisfação",
Eu disse "Da mesma forma"

Depois me deu seu cartão, o retrato, o endereço...
Eu disse "Assim não mereço!",
Disse ele "Faço questão"
Ainda me perguntou onde era minha casa
Eu lhe respondi "Num sítio, doutor, muito pra lá da Ceasa"
Ele acendeu o cigarro e disse "Entre no meu carro, comigo ninguém se atrasa"

Quando ele disse aquilo, meu coração deu um salto
Eu já ando desconfiado com essa onda de assalto
Mas depois pensei comigo que aquele cidadão
Não podia ser ladrão, afinal era um doutor
Quando eu vi o carro novo e o toca-fitas tocando,
Comigo fiquei pensando "Isso é um conquistador"

Pensei nas minhas meninas, pensei também na mulher
Mas depois pensei comigo "Seja lá o que Deus quiser"
Entrei no carro do homem e o homem empurrou o pé

Ô carro novo danado, ô homem conversador!
Eu chega tava acanhado pra conversar com o doutor
Foi me deixar lá em casa, subindo ladeira e grota
Ao meu guri mais novo ainda deu uma nota
Cumprimentou com respeito minhas filhas e a mulher
E aceitou com muito gosto "cuscuz de mi" com café

Depois que ele saiu fiquei de braço cruzado
Pensando comigo mesmo "Ô cidadão educado"
Daquele dia pra cá, onde o homem me encontrava
Ainda que fosse correndo, quando me via parava
Abria a porta do carro, mandava entrar e eu entrava
E se estivesse bebendo com uma turma de amigos
Deixava os amigos lá e vinha falar comigo

Um dia, fui lá no bar perto da banca de jogo
E lá estava o doutor, bebendo, puxando fogo
Quando ele me avistou veio logo pro meu lado
Dizendo "Vamos beber comigo no 'reservado'?"
Aí eu pensei comigo, já meio desconfiado
"Ou esse doutor é santo ou pensa que eu sou ..."

Mas aí olhei o homem desde riba até embaixo
E eu vi que ele tinha jeito de um cara muito macho
E eu também não levo jeito pra certas coisas, patrão
E finalmente eu aceitei entrar com o cidadão
Ele sentou-se numa mesa, do seu lado eu me sentei
Olhou bem na minha cara, na sua cara eu olhei
Ele chamou o garçom e falou assim:
- Garçom, traga por favor uma dose dupla de Gim
Aí eu disse "Seu moço, traz uma cana pra mim..."

Aí foi que o garçom saiu, esperto que só raposa
Foi quando o homem me disse "Vou lhe pedir uma coisa"
Eu disse "Pode pedir, não precisa se acanhar, não sendo o que tô pensando, poderia até lhe dar"
O homem sorriu e foi me dizendo
"Eu noto você meio desconfiado se pro seu lado eu me boto. Eu só quero de você e da família é o voto!"
"É que eu sou candidato, quero ser vereador. Pra ajudar essa pobreza, esse povo sofredor"

Aí eu disse: "Doutor, eu voto em Maçaranduba, minha mãe em Cabrobró,
Minha mulher em Natuba, minhas filhas em Cochichola e papai lá em Pipirituba.
Então por esse motivo não vou votar no senhor..."
Quando olhei para o homem tava mudado de cor.
Não disse uma nem duas. Não falou e não sorriu.
Puxou do bolso a carteira, pagou a conta e saiu.

Daquele dia pra cá, eu confesso a vocês, meu povo
Nunca mais eu tive direito de andar num carro novo...