versão para impressão     fonte menorfonte padrãofonte maior
LUTA, CELEBRAÇÃO E AFIRMAÇÃO DA EDUCAÇÃO
Este é um dia de luta, de celebração, de afirmação da educação como elemento decisivo para a própria sobrevivência da humanidade. Sem ela, não nos constituiremos como pessoas, não nos constituiremos como Nação, não nos constituiremos como civilização planetária que sabe da riqueza que é conhecer, permanentemente. E essa é uma tarefa coletiva. Leia o pronunciamento de Chico durante a sessão solene que homenageou o Dia do Educador.
 

Falar do Dia do Professor é falar em especial daquele gênero predominante nas tarefas da educação, a mulher. O correto mesmo era falar dia da professora, dia da educadora, embora todos nós, e me incluo nessa condição com muita honra, também participemos desse ofício permanente, porque se o mandato Parlamentar é provisório, o que vale mesmo é nossa escolha de vida profissional. Ser Parlamentar não é profissão, não é sequer carreira.

No Rio de Janeiro - e aproveito para cumprimentar os Srs. Daniel Cara, Roberto Franklin de Leão e Marta - , hoje há uma coincidência curiosa, é também feriado para os comerciários e os trabalhadores da construção civil. Houve uma compressão lá de datas, e a cidade está um pouco parada, com as praias cheias desde ontem. Vindo para cá, fiquei pensando na proximidade desses ofícios, porque os verdadeiros educadores, aqueles que, de fato, assumiram o ofício de ensinar, têm um quê de comerciários, tirada toda a atividade mercantil disso, na qual muitos querem transformar a educação; a venda de um produto, a concepção neoliberal da educação, discutida inclusive na OMC, tem muito a ver com isso. Mas a tarefa do convencimento e o trato quotidiano com pessoas, esse encontro artesanal da professora, do professor, dos trabalhadores da educação com os alunos é algo essencial.

O professor também é um operário da construção civil, na medida em que ergue casas e se parece com todos nós que procuramos construir o pensamento crítico e o conhecimento.

Como todos sabem, vivemos na era da informação aceleradíssima, mas essa informação não é necessariamente conhecimento. A tarefa da educação, da educadora, do educador é exatamente transformar essa matéria bruta da profusão de informações, no século XXI, em conhecimento profundo.
Ensinar, disse anteriormente, é ensinar a olhar para fora e para dentro; qualquer tarefa educacional que não tiver essa dimensão da objetividade e da subjetividade ficará capenga, não descentrará a criança ou mesmo o jovem e o adulto, não humanizará o adulto, o jovem e a criança. Precisamos rever inclusive todas as nossas categorias nesse tempo em que algumas palavras-chave parecem determinar tudo.

É curioso lembrar que "aluno" vem do grego e significa "sem luz". "A" como negativa, aquele a quem falta a luz. E o mestre, na concepção tradicional, seria o portador de uma chama divina. Não por acaso o 15 de outubro é consagrado aos mestres por causa da mestra da espiritualidade, Santa Teresa DÁvila, mas não temos de ter a pretensão da santificação nem de iluminações especiais.

Infelizmente, devido ao atraso do meu avião, só pude ouvir a fala do meu colega Carlos Abicalil, que mencionou: Paulo Freire ensinava que ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo, aluno algum é uma folha em branco, onde o mestre sabichão vai escrever de maneira indelével aqueles valores decisivos para a vida da pessoa. Não! A educação cada vez mais é uma troca dialética, é um encontro de saberes e é óbvio que os profissionais e as profissionais da educação têm nessa tarefa uma responsabilidade maior.

Anísio Teixeira dizia que as escolas são sobretudo os seus professores, mas sabemos também que as escolas sem os alunos, sem os estudantes, qualquer que seja a sua idade, não têm vida, não têm sentido, não têm razão de ser.
Por isso, desde Napoleão, o ensino universal gratuito, oferecido pelo Estado, de caráter público e democrático, é fundamental e decisivo para qualquer sociedade que pretenda se tornar uma nação.

Na definição de Santo Agostinho, nação é um conjunto de pessoas movido por um sonho comum. Olha que diferença das definições costumeiras de território, fronteiras, hino, pátria, bandeira! Nação significa um conjunto de cidadãos que têm um sonho comum, que reconhecem suas características no concerto da pluralidade, da diversidade humana. Mas isso é apenas um elemento diferenciador, não opressor, nem de reconhecimento de que somos inferiores a quem quer que seja. Como disse Nelson Rodrigues, o Brasil não pode ter complexo de vira-lata. A educação é um elemento fundamental para nossa constituição como Nação, para nossa assunção como povo consciente.
Por isso, apesar de tudo, inscrevo-me entre os otimistas. Esta sessão solene, realizada pela Deputada Fátima Bezerra e por vários Parlamentares presentes, com a presença de todos vocês e daqueles que nos assistem ou escutam, é uma afirmação de otimismo. Não apenas a lamentação que só vale se se transformar em luta.

É bom saber que a categoria dos educadores o Deputado Carlos Abicalil é um desses líderes, nos últimos 20, 30 anos foi a que mais se organizou neste País. No meu Estado, o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação celebra agora 30 anos de lutas. Se o lamento não passar disso, não adianta nada. Se ele, a partir da crítica, da queixa coletiva, se transforma em luta, por melhores condições de trabalho, de salário, de ensino, é fecundante, é fundamental. Para além da luta, celebramos este dia muito importante, porque insistimos na tarefa de educar como elemento de libertação. É um dia de denúncia? Claro que sim!
Li no jornal O Estado de S. Paulo, há pouco, que muitas pessoas se formam com a licenciatura, mas desistem de exercer o magistério. Buscam outras profissões, outras atividades que remunerem melhor.

A atratividade da sala de aula, dessa relação tão bonita, anda pequena, porque, como já vimos aqui, só agora no Brasil se discute um piso salarial nacional. Há vetos ao Plano Nacional de Educação, apostos pelo ex-Presidente Fernando Henrique, jamais apreciados pelo Congresso Nacional. Há frustrações nos planos municipal, estadual e federal.

Na minha cidade, Rio de Janeiro, o Prefeito, de forma autocrática, arbitrária e absurda, proibiu que vestibulares populares e gratuitos, organizados em geral por jovens universitários para a população pobre, uma forma de arrombar as portas tão fechadas da universidade brasileira, funcionem nas escolas municipais. A desculpa foi que atrapalhavam o bom andamento pedagógico durante o dia e sujavam os banheiros.

Toda a sorte de argumento elitista, preconceituoso, burocrático e autoritário impede a educação, fora o nosso discurso - falo dessa categoria enganosa e falsa da classe política, que, em campanhas da Direita à Esquerda, prioriza a educação de maneira arrebatadora. Depois, na prática, vemos que nem sempre é assim.

Os mecanismos e os escaninhos burocráticos também fazem com que mesmo o dinheiro investido em educação não chegue com a quantidade e a força que deveria àquele momento fundamental da relação professor/estudante: ao laboratório, à quadra, à sala de aula. Os papéis da burocracia, os planejamentos que muitas vezes não saem do papel, consomem boa parte desses recursos. Portanto, é preciso otimizá-los com este eixo: o fundamental da educação são os estudantes e os profissionais da educação.

Precisamos fazer do saber algo que tenha sabor e aproveitar todo o arsenal incrível de informações. Milton Santos, nosso grande professor e geógrafo, dizia que nunca a humanidade produziu tantos bens, tantas utilidades, tantos artefatos, mas nunca também essa riqueza, que é patrimônio comum, foi tão mal distribuída ou tão usada não para informar, mas para divertir ou diversionar.

Portanto, é preciso otimizar o conhecimento com conteúdo emancipatório. Uma educação sistemática que tenha como eixo o ensino público, gratuito e de qualidade é fundamental; também a remuneração condigna para quem educa deve ser uma batalha de todos nós.

Portanto, este é um dia de luta, de celebração, de afirmação da educação como elemento decisivo para a própria sobrevivência da humanidade. Sem ela, não nos constituiremos como pessoas, não nos constituiremos como Nação, não nos constituiremos como civilização planetária que sabe da riqueza que é conhecer, permanentemente. E essa é uma tarefa coletiva.

Encerro com o grande Paulo Freire, nosso mestre de todas as horas: Ninguém educa ninguém; as pessoas se educam em comunhão.

Vivam todos os que educam!

Chico Alencar
Líder do PSOL/RJ
15 de outubro de 2007

   
Gabinete no Rio de Janeiro:
Av. Mem de Sá, 23 - sobrado - Lapa
CEP: 20230-150
Telefones: (021) 2232-4532 / 2232-4413
Gabinete em Brasília:
Câmara dos Deputados
Anexo IV - gabinete 848 CEP: 70160-900
Telefone: (61) 3215-1848/3215-2848
3215-3848/3215-5848